Dec 3, 2011

ignorância quando rasga às vezes é madrugada

Durante uns anos, o caminho de casa para o metro passou pela rua Violante do Céu, poetisa (1602 - 1693) Fazia me rir este nome, que raio de poesia é que se pode escrever com um nome deste? Violência dos céus, violetas esmagadas, enfim. 


Hoje de manhã, aqui, encontrei a senhora, sóror. 



Ao Padre António Vieira, pregando do nascimento de N. Senhora
no Convento da Rosa


Aspirar a louvar o incompreensível,
E fundar o desejo no impossível;
Reduzir a palavras os espantos,
Detrimento será de excessos tantos;
Dizer, do muito, pouco,
Dar o juízo a créditos de louco;
Querer encarecer-vos,
Eleger os caminhos de ofender-vos;
Louvar diminuindo,
Subir louvando e abaixar subindo;
Deixar também, cobarde, de louvar-vos,
Será mui claro indício de ignorar-vos;
Fazer a tanto impulso resistência,
Por o conhecimento em contingência;

Delirar por louvar o mais perfeito,
Achar a perfeição no que é defeito;
Empreender aplaudir tal subtileza,
Livrar todo o valor na mesma empresa.
Errar exagerando,
Ganhar perdendo e acertar errando.
Siga pois o melhor indigna Musa
E deponha os excessos de confusa,
Que, para acreditar-se,
Basta, basta o valor de aventurar-se;
E para vos livrar de detrimento,
Ser vossa a obra e meu o pensamento.
Pois não fica o valor aniquilado,
Sendo meu o louvor, vós o louvado,
Porque somos os dois, no inteligível,
Eu ignorante e vós incompreensível.





No comments:

Post a Comment

Post a Comment